LojasAmericanas

economize

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Bob Marley dá voz a campanha contra a fome na Somália

‘High Tide or Low Tide’, de Bob Marley e The Wailers, 
foi a escolhida para dar voz à campanha contra a fome na Somália

A Somália está passando pela pior seca em 60 anos e mais de 10 milhões de pessoas estão sofrendo com a fome. Para ajudar a solucionar a crise, acaba de ser lançada, nesta terça (9), a campanha 'I’m Gonna Be Your Friend', que usa como hino a música ‘High Tide or Low Tide’, de Bob Marley & The Wailers. O projeto visa arrecadar dinheiro e conscientizar a população mundial sobre a situação da África Ocidental.
A força social das celebridades também vai ser muito importante nesse caminho. Seja por marketing ou por boas intenções, Beyoncé, Jennifer Lopez, Justin Bieber, assim como Lady Gaga, Rihanna e Eminem e mais outras 150 estrelas já se comprometeram em divulgar a causa, junto com o lançamento do curta-metragem com a música de Bob Marley, no Facebook e no Twitter.
Todo o dinheiro arrecadado será doado para a instituição Save The Children. O vídeo pode ser comprado no iTunes, na página do Bob Marley no Facebook e no site oficial da campanha. É hora de juntar forças. Let’s save the children!
Veja o vídeo da campanha 'I'm Gonna Be Your Friend', que tem 'High Tide or Low Tide', de Bob Marley & The Wailers, como trilha sonora:
video





terça-feira, 7 de agosto de 2012

Filho de Bob Marley promove filme sobre seu pai no Festival de Berlim

Esta noticia é antiga, postei justamente com o propósito de alguém mandar o link do filme completo legendado...

Documentário 'Marley', do cineasta britânico Kevin Macdonald, tem trechos de shows e inclui entrevistas com músicos, amigos, amantes e parentes de Bob Marley

 BERLIM - O Festival de Berlim foi colorido neste domingo com as cores do movimento rastafári com a presença na capital alemã de um dos filhos do lendário Bob Marley, que evocou a figura de seu pai na apresentação do documentário "Marley", do cineasta britânico Kevin Macdonald.
"Não crescemos pensando no dinheiro, mas em ajudar as pessoas", afirmou Rohan Marley, um dos doze filhos do músico jamaicano, que lembrou uma passagem de sua infância para ilustrar o caráter do pai.
Num domingo, ele e seu irmão Stephen estavam no jardim, com a cerca fechada. A casa permanecia aberta de segunda-feira a sábado e a população que trabalhava na rua entrava no jardim do músico, que oferecia comida ou dinheiro.
Rohan disse que na ocasião eles falaram: "hoje não, hoje é domingo". Mas Bob Marley viu o que se passava, disse que precisava ajudar os outros e permitiu a entrada das pessoas.
"Utilizamos o dinheiro para ajudar as pessoas, o dinheiro é uma ponte rumo a um objetivo, continuamos com o trabalho do meu pai", explicou Rohan numa comovente entrevista coletiva.
Para o diretor do documentário, o músico "foi uma das personalidades culturais mais importantes do século XX". "Ninguém teve o impacto que ele teve em nível internacional. Foi uma personalidade de relevância política e filosófica", afirmou Macdonald.
Para rodar o documentário, o cineasta teve acesso, graças à família de Marley, a vários documentos e pessoas próximas do cantor.
O realizador, ganhador de um Oscar de Melhor Documentário por "One Day in September", sobre o sequestro de atletas israelenses nos Jogos Olímpicos de Munique de 1972, apresenta em "Marley" um material de arquivo em muitos casos desconhecido para o público.
O documentário também tem trechos de shows e entrevistas e inclui entrevistas com músicos, amigos, amantes e parentes de Bob Marley, entre eles seus doze filhos e sua esposa, Rita.
"Crescemos com muitas mães na vida. Nunca tivemos conflitos entre nós, crescemos juntos" comentou Rohan Marley a respeito da vida sentimental de seu pai.
O objetivo de Macdonald era que a apresentação do filme coincidisse com o 50º aniversário da independência da Jamaica, que será comemorado este ano. O diretor lembrou também que a banda The Wailers, da qual Bob Marley fazia parte, foi criada há 50 anos.
video
"Queria que o filme fosse o mais íntimo possível. Espero ter levado as pessoas não a lenda, mas o que foi Marley como pessoa. Espero que o público possa escutar sua música de outra maneira quando acabar de ver o filme", finalizou. EFE

Polêmica da maconha...

       Bom... muitas pessoas criticavam e criticam Bob pelo consumo da canábis ativa, marijuana ou simplesmente maconha. Me lembro na oitava série do ensino médio, a professora de religião falou para turma: - Vejam Bob Marley, é conhecido como simbolo do que? Podem falar sem medo.
                    - Simbolo da maconha, Rei da maconha. foram as respostas da turma.
      Na época escutava Bob Marley, mas não o conhecia, nunca havia pesquisado sobre sua vida, então simplesmente me calei, mas pensando comigo mesmo: - Para mim ele é simbolo do reggae...
     Com certeza se estivesse com o conhecimento que tenho hoje sobre o Rei, debateria com a professora e faria ela mudar essa opinião. Sim, Bob fumava maconha, e ainda dizia: - fumem, vocês devem fumar, é a cura da humanidade... 

 Mas ele dizia isso porque ele se importava com a humanidade, queria o amor e a paz entre os humanos, harmonia entre os seres, longe de racismo, e de qualquer preconceito. Ele acreditava que se as pessoas fumassem, iriam se apaziguar, iam sensibilizar mais com o mundo ao seu redor, iam potencializar seus sentimentos de amor ao próximo... Era somente esse o pensamento dele, não queria afundar ninguém, não queria mal a ninguém, não era a toa que ele não tinha luxo, riquezas. Não tinha orgulho e egoísmo como a maioria das pessoas que ficam famosas e ricas tem... Sentava-se no chão e tocava violão, com as pessoas ao seu redor, dando dicas de como melhorar a letra da música. E fazia mais, doava mais da metade dos lucros com shows e vendas de discos para famílias pobres. Quem faz isso hoje em dia? abrir mão do luxo para beneficiar quem precisa? Simplesmente ele tinha humildade, bondade, e isso fez dele o simbolo da paz e do amor, e com seu dom inegável foi o maior músico de reggae de todos os tempos...

                                   Nestes vídeos Bob explica o porque do consumo da maconha...

video

                                       
...e também a sua principal ideologia: a paz mundial.

Premiações...


Origem não é motivo de estagnação...


Nasce um grande homem...

Bob Marley criança
No dia 6 de fevereiro de 1945 nasce o menino Robert Nesta Marley, mais conhecido como Bob Marley, filho de Cedella Booker, uma garota negra de apenas dezoito anos, e do Capitão Norval Marley, um inglês branco de 50 anos de idade que por pressões familiares mal conheceu seu filho. Bob nasceu na cidade de Nine Mile, interior da Jamaica, mas passou sua juventude, anos de formação pessoal, nos guetos de Kingston, onde se voltou para a música.
Morar em uma favela tornou Bob, que só estudou até os dez anos de idade, uma pessoa consciente das desigualdades e problemas sociais enfrentados por sua comunidade. Através de suas canções se tornou a maior expressão do seu gênero, o reggae, voltando sua vida para a transmissão da paz e do amor. Influenciando toda uma geração com seu estilo repleto de conteúdo emocional.
Bob Marley e Rita Marley
Bob nunca se importou com a ausência de seu pai. Por está sempre viajando, Bob tentou ao máximo não ser ausente com seus filhos. Cedella Marley, filha biológica mais velha do cantor, relembra sempre os bons momentos que teve ao lado de seu pai: "Ele era um pai legal, o mais legal possível. Nunca levantava a voz para nós. Acho que, porque passava tanto tempo na estrada, quando não estava viajando era algo como temos quatro dias, o que vamos fazer? Vamos nos divertir!". Bob teve doze filhos, dois deles adotados, sendo quatro com sua esposa, Rita Marley. Cinco Marley's seguiram carreira musical, dando continuidade ao legado de seu pai. Damian Marley, o mais novo da prole, é o mais bem sucedido. Vencedor de três Grammy's em carreira solo e integrante da "Super Heavy", junto com nomes como Mick Jagger e Joss Stone.

A morte não o amedronto...


Diagnóstico

Em julho de 1977 Marley descobriu uma ferida no dedão de seu pé direito, que ele pensou ter sofrido durante uma partida de futebol. A ferida não cicatrizou, e sua unha posteriormente caiu; foi então que o diagnóstico correto foi feito. Marley na verdade sofria de uma espécie de câncer de pele, chamado melanoma maligno, que se desenvolveu sob sua unha. Os médicos o aconselharam a ter o dedo amputado, mas Marley recusou-se devido aos princípios rastafaris que diziam que os médicos são homens que enganam os ingênuos, fingindo ter o poder de curar. Ele também estava preocupado com o impacto da operação em sua dança; a amputação afetaria profundamente sua carreira no momento em que se encontrava no auge (na verdade, a preocupação de Bob Marley era quanto à amputação de qualquer parte de seu corpo, seja o dedo do pé ou suas rastas. Para os seguidores dessa religião/filosofia, não se deve cortar, aparar ou amputar qualquer parte do corpo). Marley então passou por uma cirurgia para tentar extirpar as células cancerígenas. sua doença foi revelada para seu público.

Conversão

Segundo seu filho Ziggy Marley, Marley se converteu ao cristianismo antes de morrer, em 1977. O motivo seria o de que, segundo a religião rasta, o corpo é um templo sagrado e por isso retirar o câncer seria errado. Marley teria descoberto muitas coisas semelhantes entre o rastafarianismo e o cristianismo e decidido que seu corpo deveria ser cuidado. O próprio Ziggy ainda tenta espalhar o legado de seu pai, com ideais e raízes do rastafarianismo e do reggae, mas com um entendimento cristão.[2][3][4]

Colapso e tratamento

câncer espalhou-se para seu cérebropulmão e estômago. Durante uma turnê no verão de 1980, numa tentativa de se consolidar no mercado norte-americano, Marley desmaiou enquanto corria no Central Park de Nova Iorque. Isso aconteceu depois de uma série de shows na Inglaterra e no Madison Square Garden, mas a doença o impediu de continuar com a grande turnê agendada. Marley procurou ajuda, e decidiu ir para Munique para tratar-se com o controverso especialista Josef Issels por vários meses, não obtendo resultados.

Morte

Um mês antes de sua morte, Bob Marley foi premiado com a Ordem ao Mérito Jamaicana. Ele queria passar seus últimos dias em sua terra natal, mas a doença se agravou durante o vôo de volta da Alemanha e Marley teve de ser internado em Miami. Ele faleceu no hospital Cedars of Lebanon no dia 11 de maio de 1981 em MiamiFlórida, aos 36 anos. Seu funeral na Jamaica foi uma cerimônia digna de chefes de estado, com elementos combinados da Igreja Ortodoxa da Etiópia e do Rastafarianismo. Ele foi sepultado em uma capela em Nine Mile, perto de sua cidade natal, junto com sua guitarra favorita, uma Fender Stratocaster vermelha.

Tiros e susto...


  Em 1976, dois dias antes de um show gratuito organizado por Bob Marley e o então primeiro-ministro jamaicano Michael Manley durante as eleições gerais, Marley, sua esposa Rita e o empresário Don Taylor foram baleados na residência do astro em Hope Road. Marley sofreu ferimentos leves nobraço e no tórax. Don Taylor levou a maior parte dos tiros em sua perna e torso ao andar acidentalmente na frente da linha de fogo. Ele foi internado em estado grave mas recuperou-se. Rita Marley também foi internada após um grave ferimento na cabeça. Acredita-se que o tiroteio teve motivações políticas (os políticos jamaicanos eram em geral violentos na época, especialmente quando as eleições se aproximavam). O concerto foi visto como um gesto de apoio ao primeiro-ministro, e supostamente Marley foi alvo dos defensores do partido conservador da Jamaica, o Jamaican Labour Party. Embora a polícia nunca tenha pego os atiradores, pessoas desconhecidas "acertaram as contas" mais tarde com eles nas ruas de Kingston. Além disso, o Candidato Michael Manley foi eleito.

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Carreira...



  Marley começou suas experimentações musicais com o ska e passou aos poucos para o reggae enquanto o estilo se desenvolvia. Marley é talvez mais conhecido pelo seu trabalho com o grupo de reggae The Wailers, que incluía outros dois célebres músicos, Bunny Wailer e Peter Tosh. Livingstone e Tosh posteriormente deixariam o grupo para iniciarem uma bem-sucedida carreira solo.
A maioria do trabalho inicial de Marley foi produzida por Coxsone Dodd no Studio One. O relacionamento dos dois se deterioraria mais tarde devido a pressões financeiras, e no começo dadécada de 1970 ele produziu o que é considerado por muitos o seu melhor trabalho, então pelas mãos de Lee "Scratch" Perry. A dupla também se separaria, desta vez por problemas com direitos autorais. Eles trabalhariam juntos novamente em Londres, e permaneceriam amigos até a morte de Marley.
   

O trabalho de Bob Marley foi amplamente responsável pela aceitação cultural da música reggae fora da Jamaica. Ele assinou com o selo Island Records, de Chris Blackwell, em 1971, na época uma gravadora bem influente e inovadora. Foi ali, com No Woman, No Cry em 1975, que ele ganhou fama mundial.

Origem e características...

     Bob Marley nasceu em 6 de fevereiro de 1945 em Saint Ann, no interior da Jamaica, filho de Norval Sinclair Marley, um militar branco, capitão doexército inglês e Cedella Booker, uma adolescente negra vinda do norte do país. Cedella e Norval estavam de casamento marcado para 9 de julhode 1944. No dia seguinte ao seu casamento, Norval abandonou-a, porém continuou dando apoio financeiro para sua mulher e filho. Raramente os via, pois estava constantemente viajando. Após a morte de Norval em 1955, Marley e sua mãe se mudaram para Trenchtown, uma favela deKingston, onde o garoto era provocado pelos negros locais por ser mulato e ter baixa estatura (1,63 m). Bob teve uma juventude muito difícil, e isso o ajudou a ter personalidade e um ponto de vista bastante crítico sobre os problemas sociais.



Quem foi Bob Marley?

   Bob Marley OM (nascido Robert Nesta MarleyNine Mile6 de fevereiro de 1945 — Miami11 de maio de 1981), foi um cantorguitarrista ecompositor jamaicano, o mais conhecido músico de reggae de todos os tempos, famoso por popularizar o gênero. Grande parte do seu trabalho lidava com os problemas dos pobres e oprimidos. Ele foi chamado de "Charles Wesley dos rastafáris" pela maneira com que divulgava a religião através de suas músicas.